Quarta-feira, 5 de abril de 2017 às 6:57 em Museu
Forte das Cinco Pontas sedia seminário internacional do Iphan

 

Outrora fundamentais no desenho das fronteiras nacionais, os fortes brasileiros hoje são salvaguarda da história e da cultura do país. E para que esses equipamentos sigam cada vez mais vivos, atraindo e não mais expulsando visitantes, o Recife sedia até esta sexta-feira (7), no Museu da Cidade do Recife, o Seminário Internacional Fortificações Brasileiras – Patrimônio Mundial: estudos para análise de modelos de gestão e valoração turístico-cultural, promovido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

 

Um dos principais pontos da pauta do encontro, que reunirá gestores de fortificações e agentes públicos do Brasil, da América Latina e da Europa, será a confirmação da candidatura de 19 fortes do país ao título de Patrimônio Cultural Mundial, conferido pela Unesco. O Forte das Cinco Pontas é um dos integrantes desse grupo de equipamentos históricos prioritários do país, que o Iphan classificou como Conjunto de Fortificações do Brasil, e que esperam o reconhecimento da Unesco. Outros dois equipamentos pernambucanos estão nessa lista: o Forte do Brum e o Forte Orange.

 

O grupo é formado ainda por fortes localizados no Amapá, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Rio Grande do Norte, Paraíba, Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina. Todos, de acordo com o Iphan, são produtos da ocupação marítima portuguesa e holandesa, representando com a máxima fidelidade as construções defensivas implantadas àquela altura nos pontos que serviram para definir as fronteiras marítimas e fluviais do Brasil, que mais tarde viria a ser considerado o maior país da América Latina.

 

"A inclusão do Forte das Cinco Pontas na rede de dezenove fortes construídos no Brasil no período colonial que são candidatos a patrimônio do mundo é um marco na vida do equipamento. Sua capacidade de resistência, sua  presença  na vida do Recife metropolitano, seu capital simbólico acumulado ao longo da história, sua marca que resistiu além da forma, serão certamente fortalecidos com o reconhecimento da Unesco. Mas, a nossa responsabilidade como conservadores e difusores desse patrimônio cresce e exige de nós uma nova percepção da importância desse bem para a história do mundo", afirma a diretora do Museu da Cidade do Recife, Betânia Correa de Araújo.

 

Segundo o Iphan, a proposta é que, ao final do evento desta semana, seja assinada a Carta do Recife, documento com diretrizes para o estabelecimento de parcerias público-privadas e para a certificação de destinos patrimoniais, visando acordos específicos para cada fortificação com a definição de diretrizes de trabalho que deverão nortear o desenvolvimento das ações de cada um deles. Para este encerramento, estão previstas as presenças do ministros Roberto Freire (Cultura), Defesa (Raul Jungmann), Mendonça Filho (Educação) e Marx Beltrão (Turismo).

 

Durante o seminário, serão ainda apresentados alguns cases de sucesso de modelos de governança de fortificações, considerados referências para o resto do mundo, como Fortaleza de Tapirandú, no Morro de São Paulo (BA) e o Forte de Nossa Senhora Copacabana, no Rio de Janeiro (RJ). O trabalho de reuso das instalações históricas desenvolvido no Forte das Cinco Pontas também será apresentado por Betânia Correa de Araújo.

 

Segue a lista completa das 19 edificações brasileiras que compõem o Conjunto de Fortificações do Brasil e são candidatas à certificação da Unesco, com destaque para os três equipamentos pernambucanos contemplados:

 

Forte São Tiago das Cinco Pontas

O Forte das Cinco Pontas foi erguido em 1630 por ordem de Frederik Hendrik (1584-1647), primo de Maurício de Nassau. A fortaleza foi batizada com o nome do príncipe, mas, devido à forma pentagonal, passou a ser denominada de Forte das Cinco Pontas. Com a tomada pelos portugueses, em 1654, foi feita a primeira grande reforma na edificação, reconstruída em pedra e cal e apenas com quatro pontas. A obra foi concluída em 1684 e rebatizada de Forte de São Tiago. Com a expansão da cidade, a fortaleza perdeu seu sentido de defesa e passou a ter novos usos: entre os séculos 18 e 19, funcionou como depósito geral e prisão; no início do século 20, foi quartel militar e, em 1938, foi tombado patrimônio nacional. Durante o final da década de 1970, sofreu outra grande reestruturação, dessa vez para sediar as instalações do Museu da Cidade do Recife. 

 

Forte de Santa Cruz (Orange)

Com nome oficial de Forte de Santa Cruz, o Orange é um dos testemunhos da ação portuguesa e holandesa em Pernambuco durante o período colonial. O monumento foi construído em 1630 por militares holandeses, da Companhia das Índias Orientais, e sofreu diversas mudanças em sua estrutura desde a restauração portuguesa de 1654, mudando seu nome para Forte de Santa Cruz. Em pedra calcária e alvenaria de cal, foi tombado pelo Iphan em 1938 e é gerido pela Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Federal de Pernambuco.

 

Forte São João do Brum

A origem do Forte São João Batista do Brum remonta a 1595, quando foi erguido por corsários ingleses, sob o comando de James Lancaster. Mais tarde, o Forte passaria por várias expansões e modificações. Uma delas, que marcou a sua história, foi conduzida pelos holandeses, sob o comando de Schans de Bruyne, e transformou a edificação num dos principais pontos de resistência para o cerco das forças luso-brasileiras, entre os anos de 1630 e 1635. Tombado pelo Iphan desde 1938, o Forte pertence ao Exército Brasileiro e abriga atualmente o Museu Militar.

 

 

Fortaleza de São José, em Macapá (AP)

Forte Coimbra, em Corumbá (MS)

Forte de Príncipe da Beira, em Costa Marques (RO)

Fortaleza dos Reis Magos, em Natal (RN)

Forte de Santa Catarina, em Cabedelo (PB)

Forte de Santo Antônio da Barra, em Salvador (BA)

Forte São Diogo, em Salvador (BA)

Forte São Marcelo, em Salvador (BA)

Forte de Santa Maria, em Salvador (BA)

Forte de N. S. de Mont Serrat, em Salvador (BA)

Fortaleza de Santa Cruz da Barra, em Niterói (RJ)

Fortaleza de São João, no Rio de Janeiro (RJ)

Fortaleza de Santo Amaro da Barra Grande, em Guarujá (SP)

Forte São João, em Bertioga (SP)

Fortaleza de Santa Cruz de Anhantomirim, em Governador Celso Ramos (SC)

Forte de Santo Antônio de Ratones, em Florianópolis (SC)

 

 

Para mais informações:

 

Betânia Correa, diretora do Museu da Cidade do Recife - (81) 99975-1145

Museu da Cidade do Recife - 3355-9540 / 9545 / 9547

www.museudacidadedorecife.org

Iphan - superintendência regional - (81) 3228-3011

Assessoria de Comunicação Iphan - (61) 2024-5504  /  2024-5511  /  2024-5513 / 99380-9709

comunicacao@iphan.gov.br

www.iphan.gov.br

 

 

Fonte: PCR

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!